domingo, 30 de abril de 2017

A Leveza do Ser




A Leveza Do Ser

Abri a janela do jardim secreto n’alma querente
Pelas frestas vi um ser de magia ascendente
Tinha voz de poesia ardente e apaixonada
Recitava minha querida... Minh’ terna amada...

Dourava-me a pele com reflexos solar
Irradiava afeto e meu amor era puro amar
Por tanto querer me aconchegava em seu peito 
Mágico e sedutor era seu beijo mais que perfeito...

Vi ali um mago sereno em pleno halloween...
Bebia minha literatura e admirava Anaïs Nin
Ah!...Doce travessura falava de amor sem fim
Olhava-me nos olhos e sorria-me em marfim

Falava que sentimento não exige explicação
Que movimentos do vento são uivo e canção
Lembrava-me Meireles quando vestia ousadia
Ouço ainda a consonante voz de sua poesia

Toda leveza está em saber-se humano e mais nada
Amar ao sabor do tempo sem razão emocionada
Insano é acreditar poder governar o sentir
Perder-se em poesia é escrever seu existir

Fazer dos momentos bons e validados
Poetizar os serenos pelos campos enamorados
Cumpliciar-se em amor inusitado e singular
Perolar as almas poéticas, amar e amar...

Son Dos Poemas*SôniaMGonçalves
Postar um comentário